Notícia com Imparcialidade

Perfumazu "Leve essa essência com você"

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Novo presidente da Petrobras teve Imposto de Renda questionado e foi acusado de favorecer Val Marchiori

aldemir-bendine-1423225786591_615x470 
Foto: Luis Ushirobira/Valor
O presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, que deve ser anunciado no comando da Petrobras nesta sexta-feira (6), já foi investigado pela Receita Federal por evolução suspeita de patrimônio e acusado de favorecer a socialite Val Marchori em concessão de empréstimo.
Bendine foi investigado pela Receita no ano passado devido à evolução do seu patrimônio, considerado incompatível com seus rendimentos, e ao pagamento, em dinheiro vivo, de um apartamento.
Autuado por não comprovar a origem de aproximadamente R$ 280 mil em sua declaração anual de ajuste do Imposto de Renda, ele pagou uma multa de R$ 122 mil para se livrar da investigação.

Na época, o executivo disse que a questão era familiar e não quis comentá-la. Sobre a multa da Receita, ele afimrou que o auto de infração resultou de um mero erro em sua declaração.
Bendine também foi acusado de driblar regras do BB para favorecer Val Marchiori, também em 2014.
Marchiori conseguiu um empréstimo de R$ 2,7 milhões no banco, a partir de uma linha subsidiada do BNDES, mesmo sem ter pago um empréstimo anterior e sem ter capacidade financeira para obtê-lo, segundo reportagem da Folha de S.Paulo.
Isso só foi possível devido a uma operação incomum feita especificamente para que a socialite conseguisse os recursos.
Segundo o jornal, Bendine é amigo de Marchiori e os dois estiveram juntos em compromissos oficiais do banco na Argentina e no Rio de Janeiro.
O executivo negou as acusações e disse que o empréstimo seguiu todas as normas do BB.
Dinheiro vivo
Bendine tem o hábito de manter dinheiro vivo em casa, de acordo com a Folha. Um ex-motorista do BB, Sebastião Ferreira da Silva, teria dito ao Ministério Público Federal que realizou diversos pagamentos em dinheiro vivo a mando de Bendine.
O ex-motorista do Banco do Brasil Sebastião Ferreira da Silva disse que transportava “maços” de dinheiro para Bendine. Em uma ocasião, Bendine teria saído de um apartamento nos Jardins, em São Paulo, com uma sacola cheia de maços de notas de R$ 100. A sacola teria sido entregue a um amigo do executivo.
Escolha de Bendine frustra mercado
Bendine é funcionário de carreira do BB e estava à frente da instituição desde 2009.
Por ser bastante alinhado às políticas do atual governo, a colocação de Bendine na liderança da Petrobras frustra expectativas de investidores e analistas de que o novo líder da petroleira viesse do mercado.
“O Bendine é uma pessoa muito identificada com a primeira gestão do governo Dilma. O BB foi absolutamente comandado pelo governo na primeira gestão, e a Petrobras precisaria de alguém mais independente, que ‘peitasse’ o governo em determinadas situações e não fizesse loteamento de cargos”, disse à agência de notícias Reuters o sócio da Órama Investimentos Álvaro Bandeira, no Rio de Janeiro.
O novo comando da empresa terá entre seus desafios iniciais a regularização da publicação das demonstrações financeiras da estatal. Isso em meio à apuração de um escândalo de corrupção que exigirá que a companhia realize baixas contábeis bilionárias de ativos sobrevalorizados.
Renúncia coletiva
A renúncia de seis altos executivos da Petrobras na quarta-feira surpreendeu autoridades em Brasília, que previam uma mudança na diretoria da estatal apenas no fim do mês.
Na terça-feira, Dilma aceitou o pedido de demissão de Graça Foster, mas tinha acertado a permanência da executiva no cargo por mais algumas semanas. Mas outros cinco diretores da Petrobras não aceitaram ficar por mais tempo, precipitando a saída também de Graça Foster.
Procurada, a Petrobras informou que não comentaria a informação de que Bendine será o novo presidente da estatal e disse que qualquer comunicação oficial será feita através da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).


UOL, com Reuters/ Blog do BG

Nenhum comentário:

Postar um comentário